10 dicas para não se dar mal na “Black Friday”

1) Desconfie SEMPRE das palavras “promoção” e “liquidação” — Há gente fazendo liquidação 365 dias por ano e tem consumidor que ainda cai nesse tipo de manobra.

2) Fique atento com a “maquiagem de preços” — Tudo pela metade do dobro

3) Desconfie de preços muito tentadores e, em especial, em sites desconhecidos — Quando a esmola é demais, o santo desconfia (ditador popular).

4) Não compre somente com a emoção (compra por impulso), o “janeiro vermelho”, com IPTU, IPVA, materiais escolares etc, está quase na sua porta. Verifique a sua disponibilidade financeira antes de partir para a compra. Não use o cartão de crédito como linha de crédito.

5) Fazer lista com antecedência (sempre ajuda a controlar o orçamento no shopping, supermercados etc)

6) Verificar antivírus do computador e tomar cuidado para não entrar em sites suspeitos.

7) Consulte lista de sites não confiáveis no PROCON e confira se a empresa não tem ações por dar golpes em consumidores no site do Tribunal de Justiça do estado em que ela está sediada (ou no seu).

8) Analise (quantidade e qualidade) indicativos e tipo de reclamações que existem nos sites “Consumidor.gov.br” e “Reclame Aqui”.

9) Use comparadores de preços como o Zoom, Baixou agora, Buscapé etc.

10) Cuidado com sites desconhecidos e links criminosos que te levam para golpes financeiros.

468 ad