15 de dezembro – Dia do Arquiteto Urbanista

Nesta estreia como colunista do Viva Pampulha, acho interessante abordarmos, muito rapidamente, a história da arquitetura, apenas para sintonizar aonde estamos e como chegamos até aqui.

“Admiro os poetas. O que eles dizem com duas palavras
a gente tem que exprimir com milhares de tijolos” (Vilanova Artigas)

A Arquitetura é uma das profissões mais antigas da civilização, visto o Egito Antigo, cerca de 40 séculos A.C., com seus templos, pirâmides e a Esfinge de Gizé.

Passando pela Grécia Antiga, civilização formada por volta de 20 séculos A.C., o Partenon, construído 15 séculos mais tarde, dedicado à Deusa Atena, resiste até hoje, apesar do grande dano sofrido em meados de 1.690.

Chegando à Roma Antiga, temos o Coliseu, cerca de 80 D.C. e as Basílicas. Registrando também o Castelo de Saint’Angelo e o Pantheon alguns séculos depois.

Com a Idade Média, veio a Arquitetura Gótica, com seus arcos orgivais, sua verticalidade e os famosos pináculos.

O século XV, em seus meados, caracterizou-se pelo humanismo. A Arquitetura Renascentista fica marcada nas figuras de Filippo Brunelleschi, Donato Bramante, Michelangelo, Leonardo Da Vinci e outros tantos artistas. As construções são contempladas até hoje, como a Catedral Santa Maria Del Fiore, a Basílica de São Pedro e a Capela Sistina.

Enquanto a Arquitetura Renascentista atingia o seu ápice, o Brasil estava sendo descoberto, em 1.500, e apenas 30 anos depois a coroa portuguesa se interessou em colonizar a nova terra. Tudo era improviso, as construções eram rudimentares. Alguns anos depois foi fundada a capital da colônia, Salvador, desenhada pelo Arquiteto Luis Dias.

A Arquitetura Colonial é marcada inicialmente por construções de pau a pique, taipa de pilão e coberturas de palhas, posteriormente vieram os tijolos de adobe, fachadas de pedras e telhas de barro. A cidade de Outro Preto (MG) é referência arquitetônica.

O nível de detalhamento foi aumentando e a Arquitetura Barroca e o Rococó vieram para adornar as Igrejas Católicas. Atenção à Igreja de São Francisco, em Ouro Preto.

Com o desenvolvimento acontecendo no Brasil, por volta do século XIX a Arquitetura Neoclássica surge no Rio de Janeiro com a corte portuguesa, e o estilo tornou-se um elemento ideológico e era a indicação de progresso. O Museu Imperial em Petrópolis (RJ) é referência do estilo.

Posteriormente, essa arquitetura fundiu-se com o Romantismo e o Realismo, estilos vindos também da Europa, originando a Arquitetura Eclética. Podemos observar o Teatro Municipal de São Paulo.

Vertentes dessa arquitetura:
Neogótico, com a Catedral de São Paulo;
Neocolonial, com a Escola Estadual Dom Pedro II, em Belo Horizonte;
Art Nouveau, com a Vila Penteado, São Paulo;
Art Déco é a simplificação arquitetônica que levou ao Modernismo.Temos a cidade de Goiânia como referência.

A Arquitetura Moderna surgiu no Brasil por volta de 1920 e trouxe grandes nomes, como Affonso Eduardo Reidy, Rino Levi, Lucio Costa e Oscar Niemeyer. Todos inspirados na arquitetura de Le Corbusier, Walter Gropius, Mies Van der Rohe e Frank Lloyd Wright.

A base desse estilo é uma planta funcional, a utilização de formas simples, geométricas, aplicação de materiais na sua essência (como o concreto aparente). Pilotis são explorados e o paisagismo complementa os espaços.

Não podemos deixar de falar do projeto de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer para Brasília e do nosso amado Conjunto Arquitetônico da Pampulha, de Oscar Niemeyer.

A Arquitetura Pós Moderna no Brasil não foi difundida com tanta força como na Europa, mas foi defendida por Éolo Maia. O estilo orienta-se pelo uso de materiais de alta tecnologia e busca atenuar a hegemonia da Arquitetura Moderna.

Por fim, a Arquitetura Contemporânea, iniciada por volta dos anos 1990. Atualmente representada por nomes como Marcio Kogan e o escritório FGMF (Forte, Gimenes e Marcondes Ferraz). É a retomada do racionalismo, com tendências minimalistas. Preocupa-se com o conforto ambiental, não possui uma linguagem única e busca constantemente materiais de alta tecnologia.

Com esse breve resumo da história da Arquitetura podemos destacar a importância dessa profissão. Como contar a história da Humanidade sem considerar a arquitetura?

O arquiteto urbanista realiza projetos arquitetônicos de edificação ou reforma; faz relatórios técnicos, projetos urbanísticos e de parcelamento do solo; projeto de sistema viário urbano; projeto de arquitetura de interiores e paisagismo; projetos de acessibilidade, iluminação, ergonomia; preserva o patrimônio histórico e cultural; dirige, supervisiona e fiscaliza obras.

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo, CAU, em homenagem ao grande arquiteto modernista Oscar Niemeyer, salvaguarda o 15 de Dezembro como o Dia do Arquiteto Urbanista.

Hoje é dia de comemorar. Parabenizo todos os profissionais da área, esses companheiros que buscam constantemente entregar o novo, valorizar cada espaço, realizar diferentes sonhos e que se comprometem com um futuro melhor para a sociedade.

468 ad