A idade do Lobo

Uma das poucas vantagens de se tornar um cinquentão é a capacidade de perceber com maior nitidez as mudanças pelas quais o mundo vem passando. Se o vigor físico já não anda lá essas coisas, a capacidade de interpretar, correlacionar e analisar situações e predizer o futuro anda em alta.

O corpo já não corresponde com afinidade e harmonia a ordem dos pensamentos. Ao fazer meus esportes é muito evidente a desconexão entre corpo e mente. Assim como na vida, consigo enxergar com clareza e nitidez a melhor jogada, mas o ” corpicho” não corresponde. Não adianta, posso treinar, malhar e fazer meu Pilates que não consigo mais executar tecnicamente aquilo que imagino!

A cabeça de um cinquentão passa por uma verdadeira ebulição psíquica. É sem dúvida uma metamorfose ambulante. Nesta visão enxergo o jogo da vida. Apesar da hipermetropia, do ” olho preguiçoso ” detectado na infância, vejo claramente a perda da nossa capacidade de sonhar, prestar atenção, sentir , ter mais sensibilidade e ter um olfato e tato mais apurados.

Ao ler o livro de Yuval Noah Harari, “Homo Deus”, que aborda o futuro da humanidade, aflige-me o destino de nossa civilização. Vivemos uma “religião de dados”, onde a habilidade matemática são e serão muito mais importantes para a economia. Outras capacidades mentais humanas como sonhar e sentir o cheiro de um bom perfume não terão impacto sobre a mente futura.

Desta forma me sinto neste mundo: com receio do que virá pela frente, um mundo de aplicativos, da inteligência a serviço de soluções rápidas e práticas. Será um futuro legal?

futuro

Talvez sim, mas com muito menos apelo à imaginação e criatividade humana. Talvez seja melhor assim, mas que seja melhor para todos. Que a medicina, a educação possam se beneficiar do up grade tecnológico e, desta forma, oferecer para as pessoas de bem um serviço de qualidade que proporcione mais felicidades e sonhos.

Assim como já fomos controlados pelo Estado, por uma religião, chegou a vez do controle da inteligência artificial. O Google cruzará nossos dados e nos indicará o melhor caminho e a melhor decisão. Pergunte ao “pai” Waze…

Se deprimir, que tal um Prozac, talvez uma Ritalina? Os sintomas desaparecerão e tudo estará resolvido. Será?

Assim é a mente de um cinquentão, nesta filosofia de boteco, à procura de uma explicação existencial. Talvez um pouco de Zeca Pagodinho seja confortante, melhor deixar a vida te levar, conforta o coração do cinquentão.

A idade do “Lobo” serve para nada… Apenas quero lhe alarmar e simplesmente constatar as tendências e o traçado do caminho para qual caminhamos em passos largos. Quem sabe tudo será melhor?

Porém, independentemente de qualquer coisa reserve um tempinho do seu dia para as pequenas coisas. Lembre-se do cheirinho do perfume, de um papo descompromissado e do carinho de quem você ama!

468 ad