Adoçantes dietéticos fazem mal?

Os adoçantes dietéticos são produtos fabricados com a intenção de adoçar os alimentos. Eles são dietéticos porque não têm frutose, sacarose ou glicose na sua fórmula. Foram criados para pessoas com diabetes, porém outros benefícios foram observados, o que levaram a ampliar seu uso, como para quem quer perder peso ou simplesmente diminuir o consumo de açúcar.

Todo mundo já ouviu falar que adoçante faz mal. Deve ser verdade, certo? Errado. São feitos inúmeros estudos científicos para estabelecer a segurança desses produtos. Através desses estudos é definida a quantidade segura de consumo desses aditivos por toda a vida. Esses estudos levam em consideração vários grupos de pessoas, entre eles homens, mulheres, crianças, gestantes, idosos e diabéticos, antes de liberar seu uso.

Alguns adoçantes não apresentam risco à saúde na quantidade necessária para adoçar, já outros têm um limite de consumo. A quantidade máxima, entretanto,  em geral, está bem acima do consumo habitual da maioria das pessoas e é determinada pelo peso da pessoa.

Por exemplo, para um adulto de 60 Kg ingerir a quantidade máxima de aspartame ele teria que tomar mais de 4 litros de refrigerante diet adoçado somente com esse adoçante. Devido à sua segurança, esse é o adoçante mais estudado, sendo o mais utilizado por médicos, inclusive para gestantes e crianças.

O mito de que o aspartame leva a aumento de doença de Alzheimer e câncer se deu mais pela internet do que baseado em evidências. Somente pessoas com fenilcetonúria (doença genética rara – diagnosticada pelo teste do pezinho) devem evitar o consumo de adoçantes com aspartame, pela presença de fenilalanina na sua composição.

Outro adoçante muito estudado e “inocentado” foi o ciclamato. Inúmeros estudos comprovam sua segurança, não aumentando risco de câncer.

Então, está liberado o consumo?

Como tudo na vida, o melhor caminho é o do equilíbrio, o consumo em uma quantidade sem exageros é sempre melhor. Tem gente que não mede a quantidade em gotas, mas sim em “jatos”; para essas pessoas, vale a pena repensar a forma de usar esses aditivos.

Quer saber quais são os adoçantes que têm um limite máximo de consumo?

São eles: sacarina, ciclamato, aspartame, estévia, acessulfame e sucralose. Já ouviu falar de todos, não é mesmo? Mas, como eu disse, a quantidade máxima está muito acima da quantidade que consumimos em geral no dia-a-dia.

E o segredo continua o mesmo: equilíbrio, bom senso e moderação!

468 ad