Água pura e água poluída

A água pura e a água poluída diferem em relação a muitas características, que são geralmente chamadas de variáveis pelos pesquisadores. Todas essas variáveis são importantes por darem informações sobre a qualidade da água, o que determina quais tipos de destinação o corpo de água pode ter.

Algumas características são bem fáceis de serem percebidas, como a coloração, o odor e o gosto da água. Mesmo as pessoas que não desenvolvem trabalhos sobre a qualidade de água podem notar quando há mudanças nessas variáveis. Se a água deixa de ser transparente, começa a apresentar algum odor ou gosto, é preciso verificar o que está ocorrendo e quais são as causas dessas mudanças.

Como exemplo, podemos citar novamente a Lagoa da Pampulha. Por muito tempo ela foi utilizada para o abastecimento de bairros localizados ao norte de Belo Horizonte. A população e técnicos observaram que a qualidade da água deteriorou muito rapidamente principalmente a partir dos anos 1960, quando começou a apresentar coloração, odor e gosto desagradáveis.

Na época, as análises mais finas eram de acesso mais difícil do que hoje e a própria tecnologia era muito mais limitada. Ainda assim, as observações mencionadas foram suficientes para determinar o encerramento da captação de água da Pampulha em 1980.

Foi necessário encontrar e explorar outras fontes de água potável para atender a população, o que representou grandes gastos. Houve também grande desperdício de dinheiro público, pois, mesmo com os problemas se tornando evidentes, a estação de tratamento passou por dois processos de modernização poucos anos antes do fechamento.

Além dessas características mais gerais sobre a qualidade da água, há outras variáveis que só podem ser avaliadas com a ajuda de aparelhos específicos. Elas também foram avaliadas por técnicos na época em que a captação de água foi encerrada na Pampulha.

Essa avaliação mais refinada inclui a medida de variáveis como: temperatura, salinidade, concentração de oxigênio, de amônia, de nitrito, de nitrato, de fósforo total e dissolvido, quantidade de partículas inorgânicas e de orgânicas na água, pH, concentração de metais pesados, concentração de clorofila, transparência da água, quantidade de coliformes (que são bactérias) fecais, quantidade de algas e bactérias fotossintetizantes, concentração de toxinas, etc.

Assim, podemos notar que as análises mais completas da qualidade da água têm um custo elevado, mas são essenciais para descrever a condição do ambiente de forma adequada, deixando a população menos exposta a riscos à sua saúde e fornecendo informações para que seja feito um manejo adequado do ecossistema aquático e de seu entorno.

468 ad