Águas verdes

Com base em alguns de meus artigos anteriores, uma leitora pediu que eu escrevesse um texto mais detalhado sobre que tipo de risco a água com crescimento de microrganismos verdes, como ocorre na Pampulha, representa para a saúde humana.

Como mencionado em outras matérias, os esgotos industriais e domésticos agem como um adubo em lagos, rios, reservatórios e oceanos.

Assim como o adubo é colocado em uma horta para estimular o crescimento de organismos verdes (as plantas), os esgotos vão estimular o crescimento de organismos verdes também. Na água contaminada, geralmente serão favorecidos os microrganismos verdes.

Seu crescimento exagerado causa muitos problemas, como diminuição da transparência, queda na concentração de oxigênio, mau cheiro, dentre outros. Porém, um dos maiores problemas é a toxicidade apresentada por muitos desses microrganismos verdes que são beneficiados pelo esgoto. O destaque entre esses microrganismos é para um grupo chamado cianobactérias.

Elas são bactérias verdes que geralmente (mas nem sempre) formam uma camada densa na superfície da água poluída. Essas bactérias verdes podem produzir vários tipos de toxinas.

As toxinas produzidas podem afetar a pele, como mencionado, mas há algumas que afetam o sistema nervoso e outras que afetam o fígado. Nos casos mais graves, as pessoas ou animais podem não resistir à intoxicação.

É por isso que a ingestão da água ou de peixes não deveria ser permitida em nenhum corpo d’água que apresenta grandes quantidades de cianobactérias. Alguns episódios de intoxicação de humanos foram registrados em vários países e o caso mais grave foi, inclusive, registrado no Brasil.

Acompanhar como as cianobactérias estão respondendo ao esgoto é fundamental em todo corpo d’água que é usado por seres humanos, de modo a evitar riscos de exposição à água contaminada.

No caso de captação de água para abastecimento urbano, as empresas responsáveis geralmente mostram uma atenção especial quanto a esse aspecto para que não haja qualquer risco de intoxicação.

468 ad