Atividade física no combate aos efeitos do envelhecimento

A população mundial está envelhecendo em uma dimensão exponencial e este fenômeno também é verificado nos países mais pobres e em desenvolvimento, como o Brasil. A tendência em direção a uma sociedade mais idosa parece ser universal.

De acordo com os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2004), a população idosa no Brasil, em 2020, chegará a 25 milhões de pessoas, o que corresponde a 11,4% da população total.

Entre os anos de 2025 e 2030, o segmento correspondente a 65 anos ou mais é o mais elevado, podendo superar um crescimento de 4% ao ano. As projeções populacionais ainda mostram que, no ano de 2050, a população idosa se apresentará sobre um número de aproximadamente 30 milhões de pessoas, o que irá corresponder a 20% da população brasileira.

A expectativa de vida média está aumentando e o valor médio para as mulheres, em 2030, é de 81,9 anos e para os homens 74,9 anos. Em 2100, as mulheres atingiriam 87,2 anos e os homens 81,6 anos de vida média (IBGE, 2004), tornando-se evidente para a sociedade a preocupação da saúde e do bem-estar dos idosos.

O aumento da expectativa de vida proporciona às pessoas maior período de tempo para realizarem seus projetos de vida, porém é necessário que este período de tempo seja vivido com qualidade, garantindo que os anos adicionais de vida sejam saudáveis.

A tendência global de maior expectativa de vida tem levado a ciência, os pesquisadores e a população em geral a procurarem cada vez mais soluções para tentar minimizar os efeitos negativos do avanço da idade cronológica no organismo, pois o envelhecimento está associado a algumas implicações funcionais que podem gerar diminuição da autonomia motora.

Além da redução da capacidade funcional, ocorre também, com o envelhecimento, uma diminuição da capacidade de produzir força muscular. A força é um fator importante para as capacidades funcionais. A redução da força muscular é uma característica – frequentemente observada com o envelhecimento – que pode comprometer a realização de tarefas simples da vida diária, como levantar de uma cadeira, varrer o chão ou segurar um neto nos braços.

Os programas de atividades físicas, como treinamentos resistidos de força, minimizam os efeitos deletérios do envelhecimento, prolongam e aumentam a capacidade de trabalho do indivíduo, otimizando a realização das atividades da vida diária e previne a dependência no final da vida.

O envelhecimento não é simplesmente o passar do tempo, mas as manifestações de eventos biológicos que ocorrem ao longo da vida. Tem sido definido como uma perda progressiva das capacidades fisiológicas, culminando fatalmente com a morte.

É considerado como um processo inexorável aos seres vivos, multidimensional, singular, único, diferente e de ritmos diversos e está quase sempre associado a doenças e incapacidade funcional, proporcionadas pelo próprio desgaste dos tecidos com o passar dos anos e que podem resultar em declínios progressivos na saúde do indivíduo idoso, afetando sua capacidade de viver com independência.

O envelhecimento conduz a uma perda progressiva das aptidões funcionais do organismo, aumentando o risco do sedentarismo. A diminuição do desempenho motor na realização das atividades da vida diária faz com que aproximadamente 25% da população idosa chegue ao estado de dependência. Esta perda põe em risco a qualidade de vida do idoso, por limitar a sua capacidade de realizar com vigor as atividades do cotidiano.

Um ingrediente fundamental pra o envelhecimento saudável é a atividade física regular. A prática regular do exercício físico combate o sedentarismo e contribui de maneira significativa para a manutenção das capacidades funcionais, além de ser uma estratégia preventiva primária, atrativa e eficaz, com efeitos benéficos diretos e indiretos para prevenir e retardar as perdas funcionais do envelhecimento, aumentando assim a capacidade de trabalho do indivíduo, otimizando a realização das atividades da vida diária e prevenindo a dependência no final da vida.

Então, se você ainda é jovem, inicie agora mesmo um programa de atividade física para poder viver mais e melhor! Se você já se encontra na terceira idade, não ache que está tarde demais. Nunca é tarde para se buscar autonomia e qualidade de vida!!!

468 ad