Bolhas nos pés

Nesse último domingo foi realizada a Volta Internacional da Pampulha, uma das principais provas de corridas de rua do país. Provavelmente, muitos dos atletas participantes estão sofrendo, agora, com as bolhas nos pés.

Frequentemente, corredores de rua apresentam bolhas nos pés. Essas lesões resultam de forças de fricção entre a derme e a epiderme, que são camadas da pele, ocasionando no preenchimento de líquido seroso, ou mesmo sanguinolento, nesse espaço.

A formação das bolhas está relacionada à umidade e temperaturas elevadas, calçados inadequados, solos úmidos com areia e terra e longa duração de movimentos repetitivos, pois propiciam o aumento da fricção.

Geralmente, os locais mais acometidos são as extremidades distais dos dedos, a região plantar das articulações metatarsofalangeanas e a região plantar do calcâneo, ou seja, áreas de maior apoio durante as pisadas e, por isso, mais propensas à fricção local.

Pequenas bolhas evoluem e desaparecem espontaneamente se deixadas sem tratamento. Grandes bolhas, entretanto, podem interferir no rendimento da corrida, promovendo mudanças nos movimentos e causando dores em outros locais. Portanto, bolhas maiores devem ser descomprimidas a fim de curar o processo e possibilitar o retorno precoce do atleta à competição.

A descompressão da bolha é realizada através de punção após cuidadosa antissepsia. A seguir, é feito um curativo adequado de tal forma que evite o atrito entre a derme e epiderme.

Mais importante que o tratamento das bolhas é a prevenção delas. Os cuidados incluem manter os pés sempre limpos e secos, utilizar tênis de tamanhos apropriados, manter os tênis devidamente amarrados para evitar a movimentação dentro deles e proteger as zonas de risco com esparadrapos.

Bons treinos e até a próxima!!!

468 ad