Em memória de Gram Parsons

Este 5 de novembro é dia de celebrar o aniversário de nascimento do pioneiro do country-rock.  Se vivo fosse, o genial Gram Parsons estaria completando 70 anos de idade. Lamentavelmente, o artista morreu bem cedo, aos 26, no dia 19 de setembro de 1973. Oficialmente, ele teria sofrido uma parada cardiorrespiratória por causas naturais, mas não é mistério que o episódio tenha sido causada por uma overdose de drogas. O vício dele em heroína era conhecido.

Talentoso e temperamental, Parsons era vaidoso. Não havia nascido para o papel de coadjuvante. Tanto que na passagem pelos Byrds fez o grupo experimentar o country-rock com o brilhante álbum Sweetheart of the Rodeo (1968), que tem praticamente a sua assinatura.

Encabeçou também o Flying Burrito Brothers, presenteando o público com outro álbum clássico do country-rock: The Gilded Palace of Sin (1969). Não menos brilhante foi a carreira-solo, com destaque para o álbum Grievous Angel, lançado postumamente, em 1974.

A cantora Emmylou Harris era a principal seguidora de Parsons. A amizade dele com Keith Richards, dos Stones,  também era forte, até mesmo porque ambos estavam na mesma onda da heroína.

Há quem diga que a influência musical de Parsons sobre Richards foi fundamental para a essência da tríade máxima dos Stones, no caso os álbuns Beggars Banquet, Let It Bleed e Sticky Fingers. Richards minimiza essa tese.

A Moloko recomenda muito a obra deste mito. Não conhece? Caia dentro. Sem erro.

Gram Parsons: pioneiro do country rock
Gram Parsons: pioneiro do country rock
468 ad