Excesso de nitrogênio na Pampulha

Seguindo a linha de artigos anteriores, este texto aborda mais um item da lista de variáveis ambientais importantes em determinar a qualidade da água de um lago, reservatório ou rio.

O foco será dado ao nitrogênio na água, que, juntamente com o fósforo, são os principais nutrientes que favorecem o crescimento de algas e outros organismos fotossintetizantes na água.

O nitrogênio é essencial para o desenvolvimento de qualquer ser vivo. Entretanto, quando sua concentração torna-se muito alta nos sistemas aquáticos, ocorre um desequilíbrio ambiental e alguns tipos de organismos podem ser beneficiados em relação a outros. A situação é ainda mais grave quando o grupo favorecido apresenta organismos tóxicos, como é o caso das bactérias fotossintetizantes.

O nitrogênio chega aos corpos de água a partir de diversas fontes. Porém, no caso das áreas urbanas, como a bacia hidrográfica da Lagoa da Pampulha, os esgotos geralmente são a principal fonte.

Os esgotos industriais comumente mostram elevadas concentrações de nitrogênio. Os esgotos domésticos também chegam enriquecidos de substâncias como a ureia e a amônia, que contêm nitrogênio em sua composição química.

Os organismos que fazem fotossíntese podem absorver essas duas substâncias e utilizarem seu nitrogênio para crescimento. Um estudo recente realizado por nossa equipe na UFMG demonstrou que as concentrações de nitrogênio na água não aumentaram de forma importante nos últimos 20 anos. Isso é, aparentemente, uma boa notícia.

Porém, as concentrações atuais e as de 20 anos atrás foram sempre extremamente elevadas, de modo que a ausência de aumentos não poderia ser tratada como um aspecto positivo nesse sistema.

O resultado é que a água da Pampulha fica frequentemente verde pelo crescimento exagerado dos organismos fotossintetizantes, o que vem acompanhado de aceleração do assoreamento, mau cheiro, dentre outros malefícios à qualidade da água da Lagoa.

Geralmente as pesquisas e medidas de recuperação de corpos de água enfocam a remoção de outro nutriente importante, o fósforo, que será o tema da próxima matéria desta coluna. Porém, por mais que seja mais difícil eliminar a contaminação pelo nitrogênio, já que as fontes de contaminação são mais variadas, é fundamental ter em mente a importância desse elemento na degradação da água e em sua recuperação.

Os tratamentos de esgotos empregados no Brasil são, em geral, pouco eficientes na remoção de nitrogênio da água. Esses mecanismos devem ser mais completos para que haja maior eficiência na remoção desse elemento e consequente melhoria na qualidade da água.

468 ad