Fomento de talentos

Localizado em uma região de vulnerabilidade social e instalado em uma área de 370 metros quadrados, o Centro Cultural Pampulha, equipamento da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), é referência no bairro Urca, região da Pampulha. Exposições, oficinas, teatro, filmes e outras manifestações artísticas e culturais encontram nele um espaço para o fomento de talentos.

O estudante de jornalismo Davydson Raymond de Almeida Soares, de 24 anos, mora no bairro Urca desde que nasceu. Já participou de diversas oficinas ligadas ao teatro, artes plásticas e música no Centro Cultural Pampulha, local que considera ter tido um papel fundamental na vida dele: “Desde a fundação, participo das atividades oferecidas pelo espaço. A biblioteca tem um ótimo acervo de livros. Os funcionários são receptivos e bem próximos da comunidade. É uma extensão da minha casa.”

Várias atividades já foram desenvolvidas no equipamento, tais como ensaio de um grupo de teatro do bairro Urca, oficina de capoeira angola, dança afro, contações de histórias, oficinas artísticas, edições do Festival Internacional de Teatro (FIT), encontros de brinquedos e brincadeiras, mostra de cinema, saraus de poesia e encontro com artistas.

O público encontra no Centro Cultural Pampulha atividades nas áreas das artes cênicas, visuais, musicais e oficinas. Há aulas de tae-kwon-do, lian gong, capoeira e dança cigana, bem como oficinas de hip hop, zouk, dança larutan natural, musicalização e bordado em ponto russo. Há espaço também para outras formas de expressões artísticas, como o Movimento Soul BH – Cultura de Rua, além de exposições de pinturas, desenhos, fotografias, entre outras. Tudo com o objetivo de produzir, promover e fomentar a cultura na região.

pampulha

O equipamento conta, atualmente, com 12 funcionários. Adriano Goulart trabalha como bibliotecário. “O ambiente aqui convida para a socialização e favorece a interação das pessoas. A biblioteca é um dos cartões de visita do equipamento. Há também um bonito jardim interno, onde acontecem saraus e contações de histórias. Tudo muito bacana”, descreve ele.

Parcerias com comunidade

Os centros culturais da PBH – geridos pela Fundação Municipal de Cultura – são instituições públicas destinadas ao desenvolvimento cultural, ao exercício dos direitos culturais e à promoção da cidadania no âmbito do município, a partir de iniciativas de formação, fomento, difusão, promoção da leitura, memória e patrimônio cultural, sem prejuízo a outras de interesse público e objeto correlato, estabelecidas por meio de programas e projetos da Fundação Municipal de Cultura e em consonância com as diretrizes do Plano Municipal de Cultura.

Além das atividades relativas aos programas e projetos da Fundação Municipal de Cultura, o centro cultural também abre espaço para parcerias com a comunidade e outras instituições que promovem a cultura. Uma das parceiras é a contadora de histórias Márcia Finamore que, desde o início do funcionamento, utiliza o Centro Cultural Pampulha para realizar atividades que levam cultura à comunidade do entorno, como o Sarau de Contação de Histórias realizado na última sexta-feira de cada mês, às 20h.

Uma programação especial celebra o aniversário de 17 anos do Centro Cultural Pampulha, ocorrido no dia 7 de outubro passado. Merece destaque a exposição fotográfica “Revivendo o Centro Cultural Pampulha”, com caricaturas de pessoas das comunidades feitas pelo cartunista Ricardo Silveira e fotos das pessoas que frequentam o espaço e das atividades realizadas no decorrer da história do local. A exposição fica em cartaz até 20 de outubro.

O Centro Cultural Pampulha fica à rua Expedicionário Paulo de Souza, nº 185, bairro Urca. Horário de funcionamento: administração (terça a sexta-feira, das 9h às 18h) e biblioteca (terça a sexta-feira, das 9h às 18h; aos sábados, das 9h às 13h). Eventos e oficinas podem acontecer de segunda a domingo, nos turnos da manhã, tarde ou noite, de acordo com a demanda. O telefone para informações é o 3277-9292.

Andréa Moreira, da Regional Pampulha

468 ad