Fratura do boxeador

Primeiro dia do ano e lá vou eu para mais um plantão. Três pacientes internados. Todos com fratura no quinto metacarpo, que é o osso da mão correspondente ao dedo mínimo. Essa fratura é conhecida classicamente como fratura do boxeador.

Apesar de estar relacionada ao boxe, geralmente são os “não atletas” que apresentam esse tipo de lesão. No esporte, é raro um atleta ter essa fratura, uma vez que possuem técnica para desferir um golpe e estão devidamente protegidos com luvas.

Já a população em geral, muita vezes em momentos de raiva, para não socar alguém, socam a parede, a porta ou alguma outra superfície dura. Ao proferirmos um soco com a mão fechada sobre uma superfície dura, o impacto direto da quinta articulação metacarpo-falangeana gera uma energia cinética que, quando não dissipada corretamente, provoca uma fratura no quinto metacarpo.

Seu diagnóstico é fácil. O local afetado fica inchado, dolorido e com uma pequena deformidade aparente. A radiografia confirma a suspeita clínica.

O tratamento depende do grau de deformidade da fratura. Aquelas sem desvio ou com desvio mínimo, o tratamento é conservador, com redução da fratura, quando necessário, e imobilização por algumas semanas. Desvios maiores e instáveis precisam de tratamento cirúrgico.

A dica é a prevenção. E, para isso, é só não sair esmurrando tudo que estiver pela frente quando estamos com raiva. Estressou, respire fundo, conte até dez e bola pra frente!

raiva
468 ad