Juntos e mais felizes

Alex Figueiredo começou a patinar aos quatro anos de idade. Aos 12 tornou-se professor particular e aos 17 já era instrutor profissional. Tudo isso por hobby. E essa paixão iniciada ainda na infância explica o entusiasmo pela patinação. Alex é o fundador do Mais Patins MG, grupo que administra há quatro meses com a ajuda dos parceiros Cléber Ribeiro, Alessandra Patrillo, Marlon Henrique e o casal Wagner e Kenia Godoy.

O grupo já soma quase três mil integrantes na página que mantém no Facebook. O Instagram e o whatsapp são as outras mídias sociais usadas pelo Mais Patins MG para comunicar as atividades aos interessados.

“O grupo surgiu para cuidar do iniciante e divulgar a cultura da patinação de forma gratuita, sem interesse financeiro”, afirma Alex, que trabalha como representante de uma importadora de vinhos.

No momento, há cerca de cem integrantes mais atuantes e patinando em algumas das atividades do grupo. Uma delas é a “Volta para Iniciantes”, que ocorre duas vezes por mês, alternadamente aos domingos,  na Pampulha. Neste 6 de novembro é dia. O ponto de partida para uma volta em torno da Lagoa (18Km) é a Nova Praça da Pampulha, às 8h.

Já o “Urban”, que acontece semanalmente no Circuito Belvedere, é mais voltado a patinadores em estágio avançado. Outra atividade fixa é o “Aulão”, que é gratuito e tem periodicidade mensal, na Esplanada do Mineirão.

“No aulão, nossos instrutores passam aos alunos técnica de frenagem, de queda. Ensinamos também como fazer manutenção nos equipamentos e muitas outras coisas”, explica Alex.

Os dias dessas atividades devem ser checados na programação que é informada na Fanpage. Além delas, há eventos ocasionais em Lagoa Santa, Sete Lagoas e outros locais. O grupo é fechado e o interessado deve fazer solicitação virtual para a adesão ser aceita.

Alex (D) e parte dos integrantes do grupo, ao fundo
Alex (D) e parte dos integrantes do grupo, ao fundo

Terapia

Quem está interessado em iniciar-se no mundo da patinação deve preparar o bolso para um gasto médio de R$ 750 com equipamentos. Os patins custam por volta de R$ 500, além de R$ 250 pelo kit proteção: capacete, joelheira, cotoveleira e munhequeira. Já a camisa amarela e preta do Mais Patins MG sai por R$ 50.

“Quem tem desejo de patinar pode nos procurar. Prestamos gratuitamente toda consultoria para a pessoa comprar os patins e o kit proteção”, avisa Alex.

Entre os benefícios proporcionados pela patinação, o que tem chamado a atenção no grupo é o efeito terapêutico frente a alguns dramas da vida, como depressão, estresse, medo e fobias.

“Não são poucos os casos no nosso grupo de pessoas que tinham um ou mais problemas do tipo. A patinação funciona como uma terapia complementar ao tratamento. Ajuda muito. A curto prazo já notamos a evolução das pessoas, que chegam tímidas e depois se soltam”, relata Alex.

De fato, estudos científicos e médicos mostram que atividades físicas em grupo e ao ar livre, como a própria patinação, minimizam patologias do tipo. Isso, claro, somado ao tratamento adequado.

A integração social, observa Alex, é importante nesse processo. A relação entre os integrantes do Mais Patins MG vai além da patinação, com reuniões e churrascos que promovem o convívio e estreitam os laços de amizade, tornando o grupo quase uma segunda família.

“Nosso grupo tem um perfil familiar, com pessoas de sete a 70 anos de idade”

Para quem quer começar a patinar, é uma boa pedida. Confira vídeo abaixo de uma volta na Pampulha e veja porque.

468 ad