O FIT 2018

Antes de qualquer análise, o Honda Fit é uma compra segura. A marca é reconhecidamente confiável e os modelos possuem boa liquidez e baixa desvalorização na revenda.

O FIT 2018 manteve caraterísticas como o sistema modular dos bancos, o motor eficiente e o câmbio CVT. Mas, agora, o carro vem equipado com mais equipamentos de segurança, como cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes, sistema ISOFIX de fixação de cadeirinha infantil e airbag duplo frontal.

A versão EX conta com airbags laterais, enquanto a EXL tem as bolsas infláveis laterais do tipo cortina, totalizando seis airbags. Ainda que o FIT na versão 2018 mantenha falhas – como a falta da possibilidade dos vidros subirem automaticamente assim que as portas forem travadas e o alarme acionado -, é uma opção segura.

O face-lift na dianteira fez bem ao modelo da Honda. Agora, o carro conta com parachoques mais encorpados e um friso no centro da grade que se prolonga nos faróis. A traseira é equipada com lanternas de LED, com parachoques maior que tem como objetivo preservar a tampa do porta malas, antes amassada em pequenas toques na peça protetora. Mudanças que renovaram o carro e que fizeram o Fit ficar 10cm maior, oito na dianteira e mais dois centímetros na traseira.

Honda Fit

Mais segurança
O Fit 2018 recebeu controles de tração e estabilidade que aumentam a segurança do carro e faziam falta, pois são itens de série até mesmo em concorrentes mais populares. Além do BA (Brake Assist) e do ESS, alerta de frenagem de emergência, o carro possuiu MA-EPS (Motion Adaptive Electric Power Steering), que auxilia no controle da direção em situações de baixa aderência ou em curvas, atuando de maneira ativa no controle do veículo o carro possui um sistema trabalha em conjunto com o assistente de partida em rampa.

A suspensão é macia e prioriza o conforto dos passageiros, que têm ótimo espaço atrás. Mas o motorista deve reduzir a velocidade em trechos muito irregulares pois o eixo de torção faz os passageiros da segunda fileira pular em buracos. É uma característica que vem desde a primeira geração do Fit. O carro apresenta boas médias de consumo de combustível, fazendo 8,4 km/l na cidade e 9,9 km/l na estrada com etanol.

Com gasolina, o FIT 2018 fica em 12,3 Km/l na cidade, e 14,3 Km/l em estrada, segundo o INMETRO. O Fit 2018 está sendo vendido na versão DX, a única com transmissão manual, a R$ 58.700. Há uma nova versão Personal, com transmissão automática CVT, a R$ 68.700, direcionada (mas não exclusiva) para pessoas com deficiência que procuram carros abaixo de R$ 70 mil para usufruir de isenção total de IPI e ICMS. O modelo LX, CVT. Sai a R$ 70.100. O EX CVT a R$ 75.600 e o EXL CVT, modelo que está sendo avaliado neste vídeo a R$ 80.900.

Honda Fit

Interior
A configuração topo de linha EXL (R$ 80.900) foi a que ganhou as principais novidades: equipamentos como o ar-condicionado sensível ao toque, monozone e nova tela multimídia deixaram o modelo mais atual em relação a concorrência, mas ainda falta o sensor para acender os faróis automaticamente e de chuva.

O monovolume da Honda oferece ainda conectividade com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto nas versões EX e EXL. Essa central, apesar de contar com o GPS integrado, é multimídia e pode operar o Waze (por meio do Android Auto), além de permitir a reprodução de música via Bluetooth, por dispositivos portáteis, ou de serviços de streaming (via conexões Bluetooth, Android Auto ou Apple CarPlay).

Todas as versões trazem ar-condicionado, direção elétrica, vidros elétricos em todas as portas, regulagens de altura e profundidade da coluna de direção.  Com relação a motorização, todas as versões utilizam o mesmo 1.5 aspirado de 116 cv e 15,3 kgfm, mas o câmbio CVT é de série apenas a partir da segunda versão, EX.

O motor é suficiente para o peso do carro e o motorista não sente falta de potência. Mas o barulho do propulsor invade a cabine mesmo em baixas rotações baixas, característica do câmbio CVT e que muitos proprietários creditam ao mau uso do carro pelo motorista. Além disso, o câmbio é competente e garante conforto aos passageiros pela suavidade que troca as marchas mesmo quando uma redução é necessária.

Uma importante novidades da linha 2018 é a inclusão das aletas atrás do volante nas versões mais caras. Mas, não espere muito, pois, nem mesmo as trocas manuais colocam pimenta nas acelerações e reduções, o que deve tornar a opção dispensável no dia a dia para selecionar uma das sete marchas virtuais disponíveis no câmbio do monovolume.

Honda fit

Ficha técnica
Motor: dianteiro, transversal, 4 cil. em linha, 16V, comando simples, injeção eletrônica, flex
Potência: 116/115 cv a 6.000 rpm
Torque: 15,3/15,2 kgfm a 4.800 rpm
Câmbio: Automático do tipo CVT, 7 marchas virtuais, tração dianteira
Direção: Elétrica
Suspensão: Indep. McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
Freios: Discos ventilados (diant.) e tambores (tras.)
Pneus: 185/55 R16
Dimensões:
Compr.: 4,09 m
Largura: 1,69 m
Altura: 1,53 m
Entre-eixos: 2,53 m
Tanque: 45 litros
Porta-malas: 363 litros (fabricante)
Peso: 1.104 kg
Garantia: 3 anos

468 ad