O histórico de problemas ambientais na Lagoa

Os sistemas aquáticos apresentam diversas funções ambientais ou relacionadas às atividades humanas. Essas vão desde a manutenção da diversidade de vários grupos de organismos até os vários tipos de uso que o ser humano faz dos corpos de água, como o uso para abastecimento doméstico, industrial ou agrícola, o uso em atividades de lazer, na prática esportiva, ou mesmo a simples função paisagística, frequentemente relacionada a um maior valor econômico das áreas localizadas no entorno.

Apesar de sua importância, vários desses sistemas encontram-se ameaçados devido às atividades humanas. Dentre os sistemas mais ameaçados encontram-se aqueles localizados em áreas agrícolas e em áreas urbanas.

Os corpos de água localizados em ambientes urbanos comumente estão sujeitos a uma variedade de impactos e, portanto, necessitam de atenção e cuidados especiais para que não se transformem em sistemas degradados e inúteis para diversas atividades.

Os danos a esses sistemas têm se tornado mais comuns, especialmente em países em desenvolvimento, devido à grande concentração populacional ocorrida ao longo dos séculos XX e XXI. Enquanto 13% dos seres humanos viviam em cidades em 1900, hoje a população urbana corresponde a 50% de toda a população mundial.

Nas cidades, a grande concentração populacional faz com que os danos aos ecossistemas sejam freqüentes e os corpos de água estão entre os ecossistemas mais vulneráveis. Os danos mais perceptíveis a esses sistemas são:

1 – poluição por esgotos domésticos e industriais: grande parte das cidades de países em desenvolvimento não tem todo o seu esgoto tratado. Os esgotos podem conter uma série de substâncias e elementos prejudiciais ao funcionamento equilibrado do corpo de água e também aos seus usos pelo ser humano. Isso faz com que sejam uma fonte de problemas de saúde para o ser humano e para várias outras espécies, uma vez que podem conter organoclorados (usados como pesticidas ou gerados pela indústria do plástico, por exemplo), metais pesados, elementos químicos usados como nutrientes por microrganismos, dentre outros elementos ou compostos que prejudicam o equilíbrio do ecossistema. Além disso, os esgotos podem inocular os corpos de água com organismos que são tóxicos ou parasitam o ser humano e outras espécies. Especificamente para a Lagoa da Pampulha, algumas pesquisas apontam para a presença de metais pesados, como cádmio e cromo, em seus tributários, além das pesquisas e do conhecimento da própria população a respeito de casos de esquistossomose nessa bacia hidrográfica.

2 – o assoreamento causado pelo uso do solo no entorno: geralmente a remoção da vegetação no entorno dos corpos de água e os vários desmatamentos para a ocupação urbana do entorno faz com que uma grande quantidade de material solo se deposite no corpo d’água, diminuindo seu volume e tornando suas águas mais turvas. No caso da Lagoa da Pampulha, por exemplo, uma camada de vários metros de sedimento foi depositada no fundo ao longo de décadas. Desse modo, a dragagem tornou-se comum e fundamental para a mínima manutenção desse sistema. Entretanto, paralelamente a essa medida de remediação, deve-se observar medidas preventivas em toda a bacia hidrográfica, de modo a evitar que partículas cheguem aos córregos que forma a lagoa ou diretamente a esse ambiente. Infelizmente, o que se vê mais comumente são obras privadas ou públicas sem qualquer medida de contenção para evitar que grandes massas de solo sejam arrastadas para os corpos de água.

3 – invasão por espécies prejudiciais: os ambientes urbanos podem favorecer a invasão por espécies exóticas, uma vez que o grande trânsito de pessoas entre os mesmos e outros ambientes podem contribuir para o transporte dessas espécies. Além disso, muitas espécies naturalmente típicas do sistema podem ser sensíveis aos efeitos do ser humano no ambiente, sendo eliminadas. Isso abre caminho para a ocupação por outras espécies melhor adaptadas à convivência com o ser humano e os impactos que esse causa no ecossistema. Mais uma vez citando um exemplo na Pampulha, o aguapé, uma espécie amazônica, chegou a cobrir toda a superfície desse ecossistema na década de 1990, gerando sérios prejuízos ambientais.

Os textos das próximas colunas irão detalhar alguns destes aspectos e apontar algumas medidas utilizadas em outras cidades para evitar seus danos. Desde que os ambientes sejam manejados adequadamente, todos esses problemas podem ser evitados ou minimizados de modo a garantir uma melhor qualidade da água e um melhor funcionamento de todo o ecossistema.

468 ad