O que não comer na gravidez?

Todo mundo fala que nós temos que ter uma alimentação saudável na gravidez, mas o que isso quer dizer? Podemos comer de tudo? Devemos comer de tudo?

Bem, para a gravidez, valem aqueles mesmos princípios: devemos ter uma alimentação balanceada que contenham fontes de carboidratos, gorduras, proteínas, fibras entre outros. Um prato de preferência colorido e saboroso.

O.K., então pode tudo?

Na verdade, não. Na gravidez devemos ter alguns cuidados extras, que, normalmente, na nossa alimentação não nos preocupam tanto. Nessa fase da vida temos que pensar em dois, e o bebê é uma vida em formação e nós devemos
fornecer as melhores condições para uma evolução saudável.

Sem mais delongas, vamos lá!

Álcool
É sempre bom reforçar: deve ser evitado totalmente. O consumo de álcool pode levar a quadros como risco de aborto, prematuridade entre outros problemas de desenvolvimento.

Frutas e verduras
São excelentes para sua alimentação, mas devemos ter alguns cuidados. Sempre lavar muito bem (retirando qualquer resíduo de terra, sujeira, partes danificadas); em seguida, passar por alguma solução desinfetante, e, depois, enxaguar de forma abundante. As frutas e legumes que forem ingeridos crus e com casca, o cuidado deve ser minucioso, esfregando com bucha (as uvas, então, têm de ser lavadas uma a uma). Alimentos como tomate e morango são os campeões em agrotóxicos – caprichar na higiene. Os alimentos orgânicos e hidropônicos, podem não conter agrotóxicos, mas devem passar pelo mesmo processo de higiene, pois não são isentos de fungos, bactérias e outros germes.

Café
Não existem estudos conclusivos mostrando que o café afeta a evolução da gestação. De qualquer forma o excesso deve ser sempre evitado. Tomar uma xícara pela manhã e outra após o almoço é seguro e pode ser ingerido tranquilamente, se sua saúde for boa. Lembrar-se de que outras bebidas podem conter cafeína e devem ser contabilizadas aí, por exemplo: energéticos, chá preto, refrigerantes…

Carboidratos simples
Aqueles presentes em açúcares, doces, pães brancos, bolos, massas… Consumir pouco, dar sempre preferência à versão integral – pão integral, massas com farinha integral, com grãos e etc. Isso diminui a rapidez de absorção, evitando os picos de glicose no sangue.

Chás
Existem zilhões de tipos de chás, alguns contêm substâncias que podem ser diuréticas, calmantes, laxantes e outras até abortivas. Fique atenta, e, na dúvida, converse com um nutrólogo ou obstetra.

Peixes
São excelentes alimentos para as gestantes, assim como para as não gestantes. Só devemos tomar alguns cuidados, especialmente ao comer peixes grandes predadores, como cação (tubarão), marlim (peixe-espada) e cavala. Esses peixes têm uma maior concentração de mercúrio, o que pode prejudicar o desenvolvimento do bebê.

Carnes cruas
Evitar totalmente. Nessa lista entra aquele sushi, os carpaccios, e também as ostras, entre outros. Ao comer carne vermelha, atente-se: ela deve perder totalmente aquela coloração rosada no meio. Peixes devem ser cozidos até a carne deixar de ter aquela transparência. Isso devido ao risco de doenças como toxoplasmose e até verminoses.

Ovos
São alimentos saudáveis e devem ser comidos sem exageros. Só lembrando que a gema não deve ser mole. Evite também alimentos que levem ovos crus, como mousses e maionese. A propósito, aquela maionese do self-service – melhor evitar.

Leite
Somente de caixinha. Os leites longa vida passam por um processo de pasteurização e ficam em embalagens protegidas. Leites que não passam por esse processo devem ser evitados (tipo aquele “leite ao pé da vaca”). Evite também queijos que não passaram por esse processo, como camembert, roquefort, brie, feta… Pelo risco de contaminação.

Esses são alguns alimentos, mas, em geral, você deve levar uma alimentação tranquila, sem neuras, com aqueles alimentos que já tem costume, ficando atenta para não faltar nenhum nutriente.

E muita felicidade nessa etapa!

468 ad