O topo da gama

O Volkswagen Virtus TSI automático na versão Comfortline foi avaliado anteriormente. Após a entrega da versão intermediária do sedan derivado do Polo, a montadora alemã nos apresentou a topo de linha, Highline, com preço sugerido salgado: R$ 87.349,00.

O detalhe que mais chamou a atenção, ao ser apresentadA a versão mais completa do sedan, foi o painel digital que recebe o nome de Active Info Display.

Internamente, a versão mais cara do Virtus Highline é equipada ainda com a central de informações e entretenimento de oito polegadas, com tela de vidro. O acabamento tem um elevado padrão de qualidade, com montagem cuidadosa e precisa, além do uso de materiais de ótima qualidade.

Na área destinada ao motorista e ao passageiro da frente, o espaço para os ombros é amplo. O volante, bancos e retrovisores contam com boa dimensão e múltiplas possibilidades de ajustes.

Na traseira, o Virtus continua a impressionar. Utilizando a plataforma modular MQB-A0, o sedan possui distância que foi ampliada em 8,6 cm, ou seja, 2,65 metros (a mesma do Jetta atualmente vendido no Brasil).

Dessa forma, o espaço disponibilizado para as pernas, ombros e cabeça do Virtus é o mesmo de um sedã médio, como o VW Jetta, ou mesmo Toyota Corolla e Chevrolet Cruze. Assim, mesmo com os bancos dianteiros totalmente recuados, ainda sobra muito espaço para os joelhos dos passageiros traseiros.

Virtus

Pacote recheado
De série, o Virtus Highline vem equipado com vidros elétricos com função one-touch, retrovisores e travas elétrica, ar-condicionado Climatronic digital automático mono zone, direção elétrica e “Kessy” – acesso ao veículo sem o uso da chave e botão para partída do motor.

O Virtus Highline também é equipado com sensores de estacionamento traseiros e dianteiros, piloto automático, volante multifuncional com ajuste de altura e profundidade, banco do motorista com ajuste milimétrico de altura.

O sedan tem quatro airbags, sistema de informação compatível com Apple CarPlay, Android Auto e Mirror Link, controle eletrônico de estabilidade (ESC), controle de tração (ASR), auxiliar de partida em Acline e bloqueio eletrônico do diferencial (EDS).

No interior, o Virtus avaliado conta com descanso de braço dianteiro com porta-objetos, saídas de ar traseiras e portas USB para carga, espelhos retrovisores externos eletricamente ajustáveis com função tilt down no lado direito (abaixam quando a marcha ré é engatada), faróis de neblina com luz de conversão estática (que direcionam o facho para a parte interna da curva), fixação da cadeirinha de criança com sistema ISOFIX® / Top tether, iluminação do porta-luvas e porta-malas, limpador do para-brisa com temporizador, rodas de alumínio de 17 polegadas, porta-luvas refrigerado, farol com ajuste automático de intensidade e função coming/leaving home, além de indicador de pressão dos pneus, Post Collision Brake, instrumento combinado digital (Active Info Display), rede no porta-malas, sensor de chuva e crepuscular, sistema de navegação e sistema de infotainment “Discover Media” com touchscreen de 8″, Bluetooth, sensor de aproximação, navegação e App-Connect.

Impressões ao dirigir
O Virtus é um sedan que tem um ajuste de suspensão que prioriza o conforto. Isso significa que o modelo três volumes que utiliza pneus com perfil um pouco maior que os do irmão Polo, mesmo com rodas de 17 polegadas, apresenta a suavidade de um modelo equipado, por exemplo, com rodas de 16 polegadas.

Com essas características o sedan da Volkswagen é capaz de trafegar por pavimentos de baixa qualidade sem sinalizar o fim de curso dos amortecedores e sem raspar a parte inferior da carroceria.

Quanto a motorização, o Virtus Highline, assim como o Comfortline, vem equipado com o mesmo motor utilizado no Golf TSI, ou seja, propulsor 1.0, três cilindros, turbo e injeção direta, que geram 128 cv e 200 Nm de torque, associado com uma transmissão automática de seis marchas AISIN, com conversor de torque.

468 ad