Uma aposta diferente

Quando a Nissan decidiu produzir o SUV Kicks, modelo mais vendido da marca na fábrica de Resende (RJ), ela concentrou as atenções nas versões SV e SL, sempre utilizando o motor de 1.6 litro.

Viva Pampulha já teve a oportunidade, em dezembro de 2017, de avaliar a versão mais cara, a SL equipada com câmbio CVT Xtronic que agradou pelo casamento feliz entre o motor e câmbio, que resultou em um carro ágil e gostoso de dirigir.

Agora, a Nissan nos enviou a versão de entrada do Kicks, S, equipada com câmbio manual, mas será que o carro manteve a disposição da linha? A resposta é sim.

O Kicks S manual chegou às concessionárias da marca um ano depois da nacionalização do modelo. Não há dúvidas de que a versão S é a mais simples da marca, mas a disposição do modelo continua a mesma.

O motivo da Nissan ofertar o câmbio manual apenas na versão S é que a maior parte dos proprietários dos SUVs preferem modelos automáticos, mas o modelo não é “pelado”, já que oferece ar-condicionado, travas e vidros elétricos nas quatro portas, direção elétrica, volante multifuncional com regulagem de altura e profundidade, rodas de aço aro 16″ com calotas (apenas encaixadas, mas as rodas tem parafusos com segredo o que dificulta furtos), banco do motorista com regulagem de altura, computador de bordo, rádio (com conexão Bluetooth e entrada USB) e abertura elétrica da tampa do porta-malas.

Nissan Kicks

O único opcional, presente na versão que avaliamos, é o Pack Safety, que adiciona os controles de estabilidade e de tração e o assistente de partida em rampas, tudo por R$ 1.200. Além disso, a versão S mantém os bancos, mesmo que de tecido, com a tecnologia Zero Gravity, desenvolvida em parceria com a Nasa, bem confortáveis até mesmo após longas horas dirigindo o carro.

Das versões mais caras o modelo “básico” perdeu, por exemplo, a câmera de ré, sensor de estacionamento, partida por botão, central multimídia de 7” e rodas de liga leve. Além disso, o rádio que acompanha essa versão é bem fácil de utilizar e até mesmo para se conectar com o celular.

Uma das principais carcaterísticas da versão S do Kicks é a economia, além do carro ter perdido os faróis de neblina, nem as rodas de liga-leve dos Kicks SV e SL foram mantidas. Nessa versão, o carro é equipado com rodas de aço de 16 polegadas cobertas por calotas encaixadas calçadas com 205/60. Também não há opção de se pintar o teto com alguma cor diferente.

Simples, mas eficiente
A boa notícia é que a Nissan manteve o conjunto motor-câmbio, a mesma utilizada nas versões mais caras do Kicks. A transmissão, inclusive, forma uma dupla entrosada com o motor, fornecendo respostas rápidas e sem ser ruidosa demais nas acelerações.

O motor 1.6 com 114 cavalos e 15,5 kgfm de torque junto com o peso de 1.109kg contribuem para o consumo de 8 km/l na cidade e 11 km/l na estrada – o Jeep Renegade 1.8 tem 1.393 kg e Hyundai Creta Attitude 1.6 1.296 kg.

O motor do Kicks se revela mais adequado para a cidade, já que o câmbio possui relações curtas, fáceis de encontrar, mas na estrada o modelo demonstra que o câmbio merecia uma sexta marcha – um exemplo é o motor em 3.000 rpm na estrada a 120 km/h.

Nissan Kicks

Nissan Kicks 1.6 S MT
Preço versão 1.6 S MT: R$ 73.900
Motor: 4 cilindros em linha 1.6, 16V, comando variável
Cilindrada: 1598 cm3
Combustível: flex
Potência: 114 cv a 5.600 rpm (g/e)
Torque: 15,5 kgfm a 4.000 rpm (g/e)
Câmbio: manual cinco marchas
Direção: elétrica
Suspensões: McPherson (d) e eixo de torção (t)
Freios: disco ventilado (d) e disco sólido (t)
Tração: dianteira
Dimensões: 4,295 m (c), 1,760 m (l), 1,590 m (a)
Entre eixos: 2,610 m
Pneus:  205/60 R16
Porta-malas: 432 litros
Tanque: 41 litros

Kicks
468 ad